Pandemia leva à queda de arrecadação de ICMS no Turismo

É o que revela Boletim Especial do Observatório do Turismo, da Goiás Turismo, com base nos dados da Secretaria da Economia

O X Boletim Especial do Observatório do Turismo mostra que a pandemia da Covid-19 tem afetado fortemente a arrecadação estadual proveniente das Atividades Características do Turismo – ACTs. De acordo com dados da Secretaria da Economia do Estado, no último mês de abril houve uma retração de 61,4% na arrecadação de ICMS nas 10 Regiões Turísticas, em relação ao mesmo período do ano anterior. Segundo o órgão, o valor arrecadado em abril de 2020 foi de R$ 4.212.646,97. No mesmo período, em 2019, chegou a R$ 10.921.768,90. 

No período de janeiro a abril de 2020 duas regiões turísticas apresentaram resultados positivos em relação ao mesmo período do ano anterior. A Região das Águas Quentes apresentou um crescimento de 5,9% e a Região do Vale do Araguaia obteve 14,0%. Entretanto, o resultado total de todas as 10 Regiões Turísticas do Estado, no 1º quadrimestre de 2020 em relação ao mesmo período do ano anterior, foi negativo com uma retração de 14,9%. O valor arrecadado proveniente das ACTs no primeiro quadrimestre do ano de 2020 foi de R$ 42.413.074,56. No mesmo período do ano passado esse valor foi de R$ 48.746.752,99.

 O estudo traz os detalhes da arrecadação de ICMS, de janeiro a abril deste ano, nas 10 Regiões Turísticas de Goiás. O Governo do Estado, através da Goiás Turismo, tem realizado pesquisas para nortear o setor durante e após a pandemia. De acordo com Pesquisa de Sondagem Empresarial, divulgada na última semana, 73,5% dos empresários reconhece a importância dos levantamentos para planejar o futuro com segurança. Acesse o boletim completo no link :

Clique na Imagem

O X Boletim Especial informa que o mundo enfrenta uma crise econômica e de saúde sem precedentes. "O turismo foi fortemente atingido 
e milhões de empregos estão em risco em um dos setores da economia que mais empregam mão-de-obra. A previsão é que a demanda doméstica pode se recuperar antes da demanda internacional, de acordo com a pes-
quisa do Painel de Especialistas da Organização Mundial do Turismo. A maioria espera começar a ver sinais de recuperação no último trimestre de 2020, mas principalmente em 2021", analisa o documento.